quinta-feira, 23 de junho de 2011

[Review] Mortification - Post Momentary Affliction (1993)

http://2.bp.blogspot.com/_y0MQgbTb3To/S-tD0m42qVI/AAAAAAAABH0/8zCwjZQPFFA/s1600/1993+Post+Momentary+Affliction+(2).jpg

Logo após o sucesso do clássico "Scrolls of Megilloth", o Mortification era sinônimo de death metal dentro do cenário cristão, quebrando barreiras e atingindo até mesmo as massas seculares. É difícil você encontrar um fã de death metal ou metal extremo que não conheça o Mortification.

E seguindo a linha de seu antecessor, a banda do tio Steve lançou, em 1993, o explosivo "Post Momentary Affliction". Apesar de haverem 14 faixas listadas, quase metade delas são interlúdios curtos que antecedem faixas mais longas e, certamente, as mais selvagens.

Assim como em "Scrolls...", a intro "Allusions From The Valley Of Darkness" apresenta um ambiente assustador entre explosões, clima de tensão e ruídos assustadores, dando espaço assim para a violenta "From The Valley Of Shadows". Um dos maiores destaque da banda sempre foram suas letras assumidamente cristãs, e aqui, mais uma vez, Steve Rowe faz jus à sua fé e convicção cristã:

"Rejeição do orgulho através do arrependimento
A resposta revelada - divindade messiânica
O juiz pagou a dívida dos pecadores
Do vale das sombras
Para dentro da luz de Cristo
Eu sinto o convite da retidão
Enquanto as sombras encolhem-se de medo da claridade"

"Human Condition" vem logo a seguir com instrumental matador e uma letra forte que cai em cima da situação do ser humano em tempos atuais, onde realmente "o mundo jaz no maligno". Essa é uma das minhas músicas preferidas do Mortification.

"Guerras e fomes, A.I.D.S. e vidas destruídas
Ataques de drogas, dano para trazer a morte
Enterre os mortos em seus caixões
A humanidade está apodrecendo
Equívocos globais
Mentiras para roubar a tua vida

Mentiras, guerras, ódio, Anticristo

Condição humana
Não é superstição
Condição humana
Uma necessidade desesperada de Deus"

O que se vê a seguir é um death metal complexo muito obscuro, que alterna entre momentos mais sinistros e passagens mais abertas e violentas, com uma ótima presença de baixo. "Distarnish Priest" tem uma das melhores letras da história da banda e a música por si só é contagiante.

"Sacerdote imaculado
Sacerdote imaculado
Eu estou limpo, lavado em sangue
Santificado de dentro pra fora
Eu estou morto para a influência de satanás
Justificado pela cruz

Convulsão vertical, força empenhada
Seguro firme o trabalho desejado
Terrível ataque à mente
A crueldade tenta prevalecer

Sirva o teu Deus
Tua hora virá

Cuidado com a armadilha da fé no estrelado
Procure orientação para a sua vida
Não adorne os mantos sacerdotais
Escondendo a manifestação da sujeira

Guarde o teu coração, curve-se perante Deus
E arrependimento das cinzas
Conversão radical, zelo de amor
Ponha a fé em ações

Eu estou perdido, dentro dos teus caminhos
Eu encontrei uma nova saída desta vida não é fantasia
Novos caminhos, realidade
Sempre crescendo, nunca enfraquecendo
A esperança aumentando, a paz impressionando
Sempre sabendo, nunca caindo
Minha salvação me formando
Homem miserável que eu sou
Pensei em recordar as doenças
Meus mantos sacerdotais precisam estra limpos
Penitência dos ministros
Curve-se perante o altar do sacrifício
Vivendo a submissão da carne
A eucaristia serviu aos outros que passaram
Sacerdote da maturidade de vida"

"Black Lion Of The Mind" é uma intro que serve para a chegada da destruidora "Grind Planetarium", que ganhou video-clipe oficial. Talvez esta seja uma das canções mais coverizadas do Mortifa. Aqui no Brasil, ela já ganhou duas versões, pelas bandas Krig e Saint Spirit. Destaque para o vocal de Rowe, que aqui alterna entre o gutural e o rasgado.

"Pride Sanitarium (Reprise)" é uma intro explosiva que abre alas para "Overseer", a faixa mais longa do álbum, com 9min20s, com uma demorada intro de guitarras, com riffs que alternam entre o thrash metal e o death metal. Quando a música entra em ação e a voz de Steve aparece, temos uma faixa bem parecida com os primeiros trabalhos do Sepultura. Um épico recheado de explosões de tambores, guitarra maciça e o sangue de Steve bombando em um vocal realmente nervoso!

"Flight of Victory (Bass Instrumental)", tem quase 2min de duração apenas, e não passa de uma faixa descontraída com Steve brincando com seu baixo. Destaque para os dedilhados do frontman com a arma de quatro cordas e a bateria de Jayson Sherlock.

A porrada tem continuidade com "Impulsation", ótimos riffs cortantes de thrash com o vocal de Steve casando perfeitamente à música.

Um interlúdio que merece destaque é "The Sea of Forgetfulness", que encerra o álbum, de forma poderosa.

O HM Magazine nomeou "Post Momentary Affliction" na posiçaõ #70 no Top dos 100 Melhores Álbuns de Metal Cristão de Todos os Tempos. Mais tarde, esse álbum ganhou uma versão remasterizada, que além de trazer 3 faixas bônus (todas ao vivo), o novo pacote contém um digipack colorido contendo a obra da arte original, letras completas, uma abundância de fotos ao vivo da banda, e até mesmo um longo ensaio sobre a história do Mortification.

NOTA: 4/5

0 comentários: